SORTEIO MACABRO! [EM PARCERIA COM O BLOG GETTUB]


A noite em que as bruxas e todas as criaturas do além podem passear por aí, livres, assustando todos. Esse é o HALLOWEEN! Embora não seja tão tradicional no Brasil como é no EUA, podemos fazer nossa própria comemoração. E uma vez que somos leitores ávidos por termos mais livros do que conseguimos ler, que tal uma promoção com histórias só de terror? Para concorrer aos CINCO livros da DARKSIDE BOOKS, entre no post, leia as regras e preencha o formulário de participação!  

[TEXTO] Feliz dia do Escritor!


SER ESCRITOR
(Ivone Carvalho)

Ser escritor é ser alguém privilegiado, detentor de um presente divino doado a muitos, mas não a todos, e, para alguns, de forma muito especial, mais abrangente, mais criativa, mais útil, mais sensível, seja para a cultura, seja para a educação, seja para a alma.

O escritor é aquele que é dotado da capacidade de expor, através das letras, o seu conhecimento, sua sensibilidade, sua criatividade. Entrega, a todos, a bagagem que carrega ou que busca dentro de si ou no seu semelhante, de forma simples ou complexa, clara ou obscura, suave ou categórica, real ou ilusória, marcante ou passageira, bem ou mal humorada.

Ser escritor é sentir correr nas veias a necessidade de transmitir o que se sabe, o que se cria o que se sente.

É honrar, antes de tudo, a si mesmo, dando vazão à sua ânsia de partilhar com o silêncio, os seus sonhos, seus pensamentos, sua imaginação, seu sofrimento, sua alegria, sua dor, sua viagem interior, suas dúvidas, suas certezas, suas promessas, suas descobertas, oferecendo-as, posteriormente, ao leitor.

É respeitar, em igualdade, o seu leitor, aquele que busca nas letras um momento de lazer, divagação, questionamentos, saber, interesses pessoais, pois, tantas e tantas vezes, coloca-se como protagonista do que lê ou, até, como fonte de inspiração.

Ser escritor é sentir-se em constante ligação com o desconhecido, o mistério, o ideal, o espaço, o abstrato, a ficção, o real, o imaginável, o futuro, o presente, o passado. É visualizar na mente o não vivido, o querer viver, o fazer de conta que viveu.

É saborear uma ponta de vaidade ao se descobrir portador da voz do leitor, o binóculo de sua alma, o seu interlocutor.

É ter o poder de minimizar suas próprias dores ou de extravasar a alegria que já não cabe dentro do peito, quando se encontra só.

É transformar o silêncio em som constante, ouvindo as palavras da própria alma.

É possuir a capacidade da fácil introspecção, de se manter na solidão, ausentando seus pensamentos dos movimentos ao seu redor, para uma viagem de encontro ao turbilhão que existe dentro de si ou ao vazio do momento.

É poder discorrer com facilidade inteligível sobre fatos, descobertas ou sonhos.

É descobrir como transformar em poesia uma dor, uma façanha, um medo, o desequilíbrio, a insanidade, a vitória, a decepção, a nostalgia, a perda, a derrota.

Ser escritor é ser privilegiado, é ser artista, é poder compor, divulgar, esclarecer, criar dúvidas, questionar, cantar, calar sem deixar de dizer, falar sem precisar usar a voz, comunicar sem estar presente.

É ser presente mesmo estando ausente. É imortalizar os seus pensamentos, os seus sentimentos, os seus conhecimentos, as suas mensagens, os seus anseios.

É eternizar um simples pensamento.

É cantar o amor em verso e prosa. É sentir, num simples fechar de olhos, o calor, o tato, o perfume, a lágrima, o sorriso, o escuro, a luz, e transformar tudo isso em versos que calem na alma do leitor.

É pintar, com letras, o cenário da vida, a tela da alma, as cores do amor!


A todos aqueles que criam mundos, pessoas, histórias... Que nos fazem viajar sem sair do lugar, rir, chorar, ver o mundo com outros olhos... Feliz dia do Escritor!

[RESENHA]: O Erro - Elle Kennedy (Amores Improváveis #02)


Título: O Erro (Série Amores Improváveis - #02)
Autor: Elle Kennedy
Páginas: 248
Ano de Publicação: 2016
Editora: Paralela
Compre Aqui: Amazon | Submarino

Sinopse: “Logan parece viver uma vida de sonhos. Com um talento incrível para jogar hóquei e um charme inato para conquistar mulheres, ele é uma das maiores estrelas da universidade de Briar. Mas por trás do característico sorriso maroto, ele esconde duas grandes angústias: a primeira, estar apaixonado pela namorada de seu melhor amigo. A segunda, saber que sua vida, após a formatura, se tornará um beco sem saída. Um dia, por acaso, ele conhece Grace, uma garota tão encantadora quanto intrigante. Tudo nela parece ser original e deliciosamente contraditório: tímida, mas ao mesmo tempo vibrante. Doce, mas ao mesmo tempo forte e confiante. A cada encontro, Logan se vê mais e mais envolvido. Mas um grande erro colocará o relacionamento desses dois jovens em risco. Agora, Logan terá que se esforçar para reconquistar Grace – nem que para isso ele precise amadurecer e encarar de frente as suas questões mais profundas e doloridas.”
RESENHAS ANTERIORES: O ACORDO 

Oi oi amores, tudo bem com vocês? Como tem passado? Hoje trago a resenha de um livro que conseguiu ganhar esse meu coração apaixonado por New Adults! Mas como assim eu começo a resenhar pelo livro #02 da série? Pois bem, a série Amores Improváveis conta com histórias independentes, que não precisam ser lidas em ordem... Pode ser que você tenha algum spoiler do livro anterior, mas nada que prejudique a leitura. Vamos falar sobre O Erro então?

Amo histórias que se passam em faculdades, então já comecei amando tudo! Logan é um famoso jogador de hóquei, típico de faculdades, lindo, forte, que ama uma boa bebedeira, e está sempre com uma mulher diferente. Tentando esquecer uma recente desilusão amorosa, ele se afunda mais e mais nessa vida, passando a ficar com qualquer mulher, e beber cada vez mais, a ponto de nem se lembrar do que fez na noite anterior. Além disso, Logan tenta lidar com o fato que devido a alguns problemas de família, seu futuro após a faculdade é bem certo: cuidar da oficina do pai, e não poder jogar hóquei profissionalmente. Essa perspectiva o deixa bem abalado, e faz com que sua angustia aumente ainda mais.

Grace é uma garota de 19 anos, doce, tímida, mas não faz muito o gênero “mocinha indefesa”, e eu gostei muito disso. Assim como todas, tem uma paixonite por Logan, mas não espera conquistá-lo ou que ele vá virar um príncipe de uma hora para a outra, ela é bem realista, e foi outra das coisas que me agradou na personagem.

Um belo dia, procurando por uma festa, Logan acaba batendo na porta do dormitório de Grace, e aí a história dos dois começa. Temos um início conturbado, os dois tem muita química, mas Logan sabe que está fazendo algo errado, que Grace não é o tipo de mulher com quem ele faz, bem, o que tem feito... E então, acaba cometendo um erro, que magoa muito Grace e afasta os dois. O tempo passa, as férias vêm e vão, e Logan vê no último ano na faculdade sua última oportunidade para reconquistar Grace; mas para isso ele vai ter que provar para ela, e talvez para si mesmo, que amadureceu, e merece uma segunda chance.



Se tem algo que eu gosto no gênero New Adult, é poder acompanhar a evolução e amadurecimento dos personagens, e em O Erro podemos ver isso acontecer claramente. Logan começa a história se afundando cada vez mais, mas a partir de um certo momento, ele começa a reescrever a sua história, e foi algo interessante de se acompanhar. Também gostei da forma como a autora trabalhou os relacionamentos familiares, tanto de Grace quanto de Logan. A lealdade de Logan a família, mesmo não satisfeito com várias questões complicadas, mostra o quanto o personagem era “bom”, e estava apenas em um “momento ruim”.

Elle Kennedy tem uma escrita fácil, fluida, e soube trabalhar vários temas, como alcoolismo, crise dos 20, fraternidades, família, lealdade e amigos de forma simples, mas bem elaborada. Todos os personagens se envolvem, e não tem como não visualizar o todo e a participação de cada um.

Apesar de a Grace ser uma amor de menina, não achei nada nela de extraordinário, ou que realmente chamasse a atenção. A meu ver, a história contada pelo ponto de vista do Logan foi bem mais interessante, era ele quem tinha algo a contar, aprender, amadurecer. Mas isso não fez com que a personagem fosse ruim, ela apenas ficou mais em “segundo plano”. Confesso que o erotismo foi mais do que eu esperava para uma menina que era virgem (Virgem? sim. Inocente? Nem um Pouco haha), mas não foi nada forçado ou muito explicito. A autora soube mesclar bem romance e erotismo, e não ficou nada a desejar.

O Erro não é um livro que vai te ensinar grandes lições, ou acrescentar algo de extraordinário a sua vida, não leia com essa intenção. É um livro maravilhoso sim, para entretenimento e leitura despretensiosa. É rápido, divertido, cheio de cenas e frases engraçadas que fazem parte do nosso dia-a-dia. Recomendo para todos os fãs do gênero, tenho certeza de que vão gostar!

Beijos e até a próxima!

PARTICIPEM DO SORTEIO DE ANIVERSÁRIO DO BLOG! 
© Entre Páginas | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Colorindo Design | Tecnologia do Blogger